REINSERÇÃO – NOME FEMININO. 1. ACTO OU EFEITO DE REINSERIR; 2. AQUILO QUE É REINSERIDO.

No dia 5 de novembro de 2020, víamos nascer a Reshape Ceramics – um programa da RESHAPE que aposta na reinserção de quem passou ou está a passar pelo sistema prisional através da criação de peças de cerâmica únicas produzidas por pessoas da comunidade prisional da associação. Com uma ideologia de economia circular, todos os lucros são reinvestidos novamente na organização de forma aumentar o número de vidas impactadas. Este projeto visa criar oportunidades de reinserção social para reclusos e ex-reclusos, criar valor a partir do seu trabalho, tal como conscientizar a população para as temáticas relacionadas com os atuais sistemas prisionais.

A perda de sentido, de sensação de autonomia e de utilidade por parte dos reclusos são alguns dos desafios que estes sistemas enfrentam atualmente. E são programas como a Reshape Ceramics que vêm ajudar este vasto leque de problemas. Não só o trabalho das pessoas visadas ganha valor, providencia um sentido de utilidade e promove a sua autonomia, como permite desenvolver skills que poderão vir a ser muito úteis para estas pessoas. Estes projetos ajudam ainda na reinserção social de ex-reclusos e reclusos no final da pena, uma vez que criam contributos visíveis e palpáveis dos visados.

Como a Reshape Ceramics, há outras iniciativas deste género em Portugal. Em 2020, a Direção Geral das Artes em parceria com a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais financiou o “Programa Apoio em Parceria – Arte e Reinserção Social”. Com um montante financeiro global de 200.000 €, este programa visa estimular a participação de pessoas em reclusão no desenvolvimento de atividades em prol da comunidade, bem como promover a sua reinserção social através de iniciativas culturais e artísticas. Nesse ano realizaram-se inúmeras iniciativas das mais variadas formas artísticas, que abrangeram diversos estabelecimentos prisionais.

Portugal conta ainda com um histórico relevante de iniciativas de encenações de teatro por parte de reclusos, tanto em apresentações dentro de prisões como através de sessões na comunidade [1]. Este estudo, que analisa em profundidade os benefícios do teatro enquanto meio de reinserção social, conclui que não só a prática do teatro em reclusos potencia o aumento da autoestima, como fortalece o espírito de trabalho coletivo, traz novidade ao quotidiano (providenciando motivação pelo contacto com o mundo exterior) e melhora o relacionamento dos reclusos com os seus pares.

Apesar de não existirem (ainda) muitos projetos deste género de caráter permanente em Portugal, uma pequena pesquisa permite a qualquer um perceber que, estas iniciativas são, sem dúvida, extremamente benéficas para a reinserção social de ex-reclusos. Vamos apoiar estas causas?

REFERÊNCIAS [1] Pinto, Luísa Isabel da Costa. O teatro como meio de reinserção social de reclusos. Diss. 00500:: Universidade de Coimbra, 2018.

Fotografia de mostafa meraji, via Unsplash

Sofia Belém
Voluntária na RESHAPE